Archive for abril \01\UTC 2011

h1

Floresta que dá peixe

abril 1, 2011

Manguezal

Manguezal


É possível uma árvore de 20 metros crescer numa lama mole? essas árvores sobreviverem num solo quase totalmente sem oxigênio? sobreviverem à invasão da água do mar com a maré alta, trazendo muito sal? É possível sim. Isso é o que fazem aquelas árvores que vivem onde ninguém mais quer viver: as árvores de Mangue.
Os manguezais são ecossistemas ditos de baixa diversidade (No Brasil, há só 3 gêneros e 6 espécies de Mangue), porém, a abundância é enorme, e todo o sistema é produtivo. Para a economia e a subsistência das comunidades adjacentes, os mangues são de extrema importância, pois servem de berçário para camarões e peixes, que vem desovar na maré alta, e os ovos e larvas se desenvolvem em poças entre as árvores, e ao atingir a idade adulta, vão para mar aberto aproveitando a maré alta. daí o pescador afirmar que “o mangue é floresta que dá peixe”.
Outra grande fonte de renda retirada dos manguezais são os caranguejos, um grande atrativo da culinária de vários lugares. Os principais caranguejos coletados para alimentação são o Caranguejo Uçá (Ucides cordatus) e, minoritariamente, o Guaiamu (Cardisoma guanhumi).
uça
Uçá
guaiamu
Guaiamu
A coleta dos caranguejos é feita respeitando-se as regras de pegar apenas os machos, fora do período de reprodução, durante as chuvas de verão, para garantir a manutenção da população pros próximos anos: O Uçá atinge seu tamanho comercial com 7 anos de idade pelo menos. são presentes também pequenos caranguejos conhecidos como Chama-maré (Uca spp.), extremamente territorialistas e cavam tocas na lama para viver, se caracterizam pelos machos terem um quelípede (a ‘pinça’) grande e um bem reduzido, e devem seu nome popular ao movimento que os machos fazem para atrair as fêmeas com seu quelípede maior.
uca
Outros caranguejos característicos dos manguezais são o Aratu vermelho (Goniopsis cruentata) e o Aratu Marinheiro (Aratus pisonii). o primeiro vive na lama entre as raízes do mangue, tem uma coloração escura com as patas vermelhas, atinge porte médio, não cava tocas e movimenta-se numa velocidade impressionante. O último costuma ser bem pequeno, apresenta uma coloração cinzenta, ou preta com manchas brancas e é arbícola: quando a maré sobe, ele escala as árvores pois não suporta ficar submerso.
goniopsis
aratus
Aves também encontram seu lar nos manguezais, como por exemplo o Guará (Eudocimus ruber), ave símbolo dos manguezais maranhenses, que deve a coloração vermelha de suas penas a sua dieta composta de caranguejos, que possuem um pigmento dessa cor, e o Taquiri-do-mangue (Nycticorax nycticorax), chamado em outras regiões de Savacu.
guará
Guará
taquiri
Taquiri-do-mangue
Na flora destacam-se o Mangue Vermelho (Rhizophora mangle, R. racemosa e R. harrisonii), com suas rizóforos, raízes expostas e que formam uma ampla base, garante a sustentação na lama, e resolvem o problema da anoxia do solo com as Lenticelas, estruturas adaptadas a captar o ar atmosférico.
mangle
O Mangue negro (Avicennia germinans, A. schaueriana), que não apresenta rizóforos mas possui raízes radiais rasas e amplas, com Pneumatóforos: Raízes com geotropismo negativo, ou seja, que crescem para cima, aflorando do solo, tendo a função de captar o ar atmosférico com lenticelas. Absorve a salinidade da água do mar, eliminando cristais de sal pelas folhas. Também chamado de Siriúba, palavra de origem indígena, significando “Árvore do caranguejo” devido ao fato das tocas de caranguejos serem presentes mais próximas das raízes da Avicennia.
avicennia
Por último, o mangue branco ou tinteira (Laguncularia racemosa) é uma espécie que procura solos mais arenosos, e apresentam pneumatóforos menos proeminentes. destaca-se pela pesença de folhas amareladas, prestes a serem trocadas.
laguncularia1
As árvores de mangue não produzem sementes, pois desenvolveram viviparidade. A semente germina dentro do fruto ainda preso à planta-mãe, e dá origem a propágulos. No Mangue vermelho, os propágulos tem a forma de canetas, sendo bastante encontradas em praias. propágulos podem ficar à deriva por até um ano antes de encontrarem um solo propício para se desenvolverem.
propagules
As plantas do mangue são seres endêmicos de manguezais, que não suportam competição por espaço e nutrientes com outras espécies de terra firme, tendo que viver em condições adversas com a salinidade da água e solo anóxico. Devido às condições que oferecem, os mangues são considerados ecossistemas altamente produtivos, garantindo alimento, proteção, condições de reprodução e crescimento para muitas espécies de valor comercial. O principal valor dos manguezais está na produção e exportação de detritos orgânicos para as águas estuarinas. Os detritos em suspensão nas águas, compostos principalmente por fragmentos de folhas de mangue, formam a base alimentar de diversas espécies de caranguejos, camarões e peixes. De todos os ecossistemas, o manguezal é um dos mais produtivos e também o mais vulnerável aos efeitos do desenvolvimento econômico e do crescimento desordenado das populações humanas. Devido a essa fragilidade, o Manguezal é um ecossistema extremamente vulnerável, sendo por vezes aterrado, desmatado e tendo sofrido com lançamento de lixo. O principal valor dos manguezais está na produção e exportação de detritos orgânicos para as águas estuarinas. Os detritos em suspensão nas águas, compostos principalmente por fragmentos de folhas de mangue, formam a base alimentar de diversas espécies de caranguejos, camarões e peixes.
Devido às condições que oferecem, os mangues são considerados ecossistemas altamente produtivos, garantindo alimento, proteção, condições de reprodução e crescimento para muitas espécies de valor comercial.
As comunidades que vivem perto dos mangues precisam ser educadas para evitar a poluição das florestas de mangue, estimulando atividades sustentáveis que proporcionem ganho tanto para a sociedade quanto para o meio ambiente.